Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil


A RAZÃO DO IMPÉRIO*

Os Estados Unidos vão continuar a defender e exercer o poder sem concessões às demandas das outras potências

 

“Uma aliança entre país constitui-se quando um grupo de nações decide defender um território específico ou uma causa particular; isso define um limite cuja violação constitui casus belli. Pelo contrário, um ‘sistema de segurança coletiva’ não define um território a ser defendido, nem os meios ou armas para fazê-lo.”
HENRY KISSINGER, “Does America need a Foreign Policy. Toward a Diplomacy for the 21th Century”, 2001

O lugar ideal para olhar os caminhos do mundo, em 2005, são as janelas da Casa Branca, em Washington. Ali foram tomadas as decisões que estão redesenhando a geopolítica mundial, desde 1991. Hoje, 13 anos depois da Guerra do Golfo e do fim da União Soviética, ninguém duvida que essas decisões contribuíram decisivamente para a expansão do poder global dos Estados Unidos, que, no início do século XXI, é muito superior ao de todas as demais potências que disputaram a hegemonia mundial, a partir do século XVI. Por isso fala-se cada vez mais num “império americano”, e virou lugar-comum compará-lo com o Império Romano.

Os Estados Unidos saíram da Guerra Fria na condição de hiperpotência, vitoriosa no campo ideológico e econômico e sem adversários geopolíticos capazes de concorrer no campo militar. A União Soviética desintegrou-se juntamente com o projeto socialista, e a Rússia se mantém na condição de segunda potência atômica do mundo, mas precisará de tempo para alicerçar economicamente este poder.

O Japão e a Alemanha, a segunda e a terceira maiores economias do mundo, seguem estagnadas e na condição de protetorados militares dos Estados Unidos; a União Européia move-se em câmera lenta rumo à sua unificação efetiva, contida por suas divergências e conflitos seculares que impedem que ela se transforme num verdadeiro Estado supranacional.

A China é a economia que mais cresce no mundo e tem um projeto estratégico de longo prazo do qual não se afasta, e que a levará à condição de potência mundial, em algumas décadas, mas ela não está disposta a enfrentamentos imediatos, que não sejam por causa de Taiwan.

O resto do mundo parece condenado a um conflito prolongado, como no Oriente Médio, a uma longa exclusão econômica do sistema mundial, como no caso da África, ou a um crescimento vegetativo e errático, mas com pouca relevância geopolítica, como no caso da América Latina.

Em síntese, os Estados Unidos ocupam uma posição de poder absolutamente confortável e inquestionável, e vêm dando demonstrações sucessivas de que pretendem defendê-lo e exercê-lo sem maiores concessões efetivas às demandas “multilateralistas” das outras Grandes Potências. Dessa perspectiva, 2005 deverá ser um ano de acomodação ou de digestão dos acontecimentos e das mudanças de poder que se aceleraram depois dos atentados de 2001. Mas não é possível deduzir o futuro imediato, em linha reta, olhando apenas para os caminhos abertos por esta gigantesca concentração de poder, em mãos de um único Estado nacional.

Em primeiro lugar, porque o funcionamento deste hiperpoder, depois de 1991, não promoveu a paz universal, nem conseguiu estabilizar a economia internacional, como muitos analistas e teóricos acreditaram que aconteceria. Em 1991, a coalizão militar – composta por 28 países – liderada por Estados Unidos e Inglaterra, venceu a Guerra do Golfo e derrotou o Iraque, depois de um mês de bombardeio aéreo contínuo do território inimigo. Expulsou as tropas iraquianas do Kuwait, mas não conquistou Bagdá e não depôs Saddam Hussein.

Entre 1991 e 2003, os Estados Unidos e a Inglaterra bombardearam o território iraquiano, de forma quase contínua, mas não conseguiram atingir e mudar o regime político nem liquidar o aparato militar de Saddam Hussein.

Em 1999, as tropas da Otan, sob a liderança militar dos Estados Unidos, fizeram uma “intervenção humanitária” no Kosovo, bombardearam e destruíram a economia iugoslava e assumiram a administração direta da província, sem conseguir reorganizar o país, nem muito menos eliminar os conflitos étnicos que seguem dividindo a população local, e que foram o motivo explícito da ocupação militar.

Em 2002, a coalizão militar liderada pelos Estados Unidos derrotou o governo Taleban do Afeganistão, substituído por um homem da confiança norte-americana, que foi confirmado pelas eleições de 2004, mas só controla de fato a região em torno de Cabul, porque o resto do território afegão segue em mãos dos “senhores da guerra” e dos próprios talebans. Em 2003, os Estados Unidos e a Inglaterra venceram a Guerra do Iraque, conquistaram Bagdá, destruíram as forças militares iraquianas e destituíram Saddam Hussein.

Mas depois, não conseguiram reconstruir o país nem definir com precisão os objetivos de longo prazo das tropas de ocupação que permanecem em território iraquiano, depois da constituição de um governo local sob tutela americana.

Portanto, 13 anos depois da Guerra do Golfo e do fim da Guerra Fria, o balanço que se pode fazer deste novo tipo de império, do ponto de vista dos objetivos norte-americanos, é bastante negativo. Suas intervenções militares não expandiram a democracia nem os mercados livres; as guerras aéreas não foram suficientes, sem a conquista territorial; e a conquista militar desses territórios não deu conta do problema da reconstrução nacional dos países derrotados.

Em segundo lugar, porque a própria estratégia global americana contém contradições que acabarão afetando e desviando seu caminho expansivo. A começar por sua proposta de criação de uma aliança mundial contra o “terrorismo internacional”, que não tem condições de se sustentar por um período prolongado de tempo.

Basta olhá-la com um pouco mais de atenção para perceber suas limitações intrínsecas. Do ponto de vista da “segurança interna” dos Estados Unidos, é da natureza do novo inimigo, segundo Donald Rumsfeld, mover-se no campo “do desconhecido, do incerto, do inesperado”, aproveitando-se de toda e qualquer “vulnerabilidade americana”. Uma ameaça, portanto, que pode ser nuclear, mas também pode ser cibernética, biológica, química, e pode estar no ar, na terra, na água, nos alimentos, enfim, em centenas de veículos ou lugares diferentes. Nesse sentido, nesta guerra escolhida pelos Estados Unidos, tudo pode se transformar numa arma, em particular as inovações tecnológicas dos próprios americanos. E tudo pode se transformar num alvo, em particular as coisas mais prezadas e desprotegidas dos norte-americanos.

Daí a necessidade defendida pelo governo Bush de criar uma “rede cidadã” de espionagem, constituída por milhões de homens e mulheres comuns que gastariam parte dos seus dias controlando e vigiando seus próprios vizinhos. E é isso que explica, também, a criação pelo governo americano de novas “equipes vermelhas” encarregadas de planejar ataques contra os Estados Unidos, pensando como terroristas, para poder identificar as “vulnerabilidades” do país.

Desse ponto de vista, a visão imperial dos Estados Unidos e a ubiqüidade do seu adversário “interno”, exigirá um controle permanente e cada vez mais rigoroso da própria sociedade americana, vista pelo governo como um imenso universo de possibilidades agressivas, o que aponta numa direção que combina paranóia coletiva com repressão crescente, uma combinação insustentável por muito tempo, num sistema democrático.

Por outro lado, do ponto de vista da segurança externa dos Estados Unidos, a nova estratégia cria uma situação de insegurança coletiva e permanente, dentro do sistema mundial. O novo adversário não é, em princípio, uma religião, uma ideologia, uma nacionalidade, uma civilização ou um Estado, e pode ser redefinido a cada momento pelos próprios Estados Unidos, sendo, portanto, variável e arbitrário.

E, nesse sentido, os Estados Unidos atribuem-se o direito de fazer ataques preventivos contra todo e qualquer Estado onde eles considerem existir bases ou apoio às ações terroristas, o que significa a auto-atribuição de uma soberania imperial. Problema que deverá se agravar, ainda mais, na medida em que outros países, em particular as demais Grandes Potências, se sentirem ameaçadas por forças consideradas terroristas, qualquer que seja a sua natureza, incluindo nações ou minorias internas e rebeldes dentro dos seus territórios.

Neste momento, todos os que tiverem a capacidade militar necessária seguirão o caminho aberto por Israel, e seguido pelos Estados Unidos, optando pelos ataques preventivos. Portanto, a nova doutrina estratégica americana terá inevitavelmente desdobramentos contraditórios e perversos, porque, estabelecido e aceito o princípio geral do “ataque preventivo”, não há consenso sobre o que seja, e quem sejam os terroristas, para cada uma das potências que detêm atualmente os armamentos de destruição de massa. Por isso, a Rússia, a França e o Japão já se atribuíram o mesmo direito aos “ataques preventivos”, mesmo que seja contra minorias nacionais, e no caso do Japão, contra uma ameaça atômica virtual por parte da Coréia do Norte.

Por esse caminho, não há como se equivocar: em algum momento o conflito se deslocará para dentro do núcleo de poder do sistema mundial, recolocando o velho conflito, nu e cru, entre as Grandes Potências.

Aponta nessa direção a decisão americana de devolver a liberdade de iniciativa militar ao Japão e à Alemanha, por conta da Guerra do Afeganistão. E mais recentemente, a reivindicação russa do seu direito de “proteção” à sua “área de influência” ou “zona de segurança” clássica, onde estão incluídos vários territórios que já foram ocupados militarmente pelos Estados Unidos, depois de 1991.

Enquanto a Europa continental começa a rebelar-se contra sua situação de refém militar da Otan e dos Estados Unidos, o que prenuncia o retorno da luta pela hegemonia dentro do continente europeu, mesmo que seja na forma de uma luta prolongada pelo controle da União Européia.

Nesta região, se a Inglaterra sair da União Européia, não é improvável que os capitais alemães acabem seguindo o caminho da história e estabelecendo uma nova e surpreendente aliança com o poder militar “ocioso” da Rússia. Enquanto isso, do outro lado do mundo, o sistema estatal asiático se parece cada vez mais com o velho modelo de competição pelo poder e riqueza que foi a marca originária do “milagre europeu”, desde o século XVI.

E não é provável que se repita na Ásia algo parecido com a União Européia. Pelo contrário, o que se deve esperar é uma intensificação da competição econômica e política pela hegemonia regional, entre a China, o Japão, a Coréia, a Rússia e os próprios Estados Unidos.

Dessa perspectiva, não há dúvida de que a grande novidade geopolítica e geoeconômica do sistema mundial, desde os anos 90, é a nova relação que se estabeleceu entre os Estados Unidos e a China. Ela reproduz e prolonga o eixo Europa-Ásia que dinamizou o sistema estatal e capitalista desde sua origem, e a relação privilegiada dos Estados Unidos com o Japão, desde 1949.

Mas ao mesmo tempo ela contém algumas novidades notáveis. Em primeiro lugar, o novo motor geoeconômico do capitalismo mundial deslocou e esvaziou o tripé da “época de ouro” da economia mundial – Estados Unidos, Alemanha e Japão – que funcionou de maneira extremamente virtuosa entre 1945 e 1980.

Em segundo lugar, esta nova engenharia econômica mundial e a prolongada estagnação das economias alemã e japonesa vêm recolocando o problema dos seus projetos nacionais derrotados ou bloqueados, e a necessidade de retomá-los como forma de sair da crise, sem contar com a ajuda americana. Em terceiro lugar, esta nova aliança apressou a volta da Rússia às suas posições clássicas de corte nacionalista e militarista, obrigada por sua posição eternamente dividida, entre sua presença na Ásia e na Europa.

Mas não há dúvida de que o aspecto mais importante desta nova relação entre Estados Unidos e China é que ela é complementar e competitiva a um só tempo e, ao mesmo tempo, ela é econômica e militar.

Este foi o grande segredo do sistema mundial criado na Europa, no século XVI: a inevitável complementariedade entre os principais competidores que disputam situações hegemônicas e que dinamizam o conjunto do sistema, durante algum tempo, graças à sua competição.

Essa regra não foi obedecida durante a Guerra Fria, quando os Estados Unidos mantiveram sua competição militar com um país com quem não mantinham relações econômicas importantes para o dinamismo de sua própria economia nacional (a URSS). E mantiveram relações econômicas dinâmicas com países que não tinham autonomia militar, nem possibilidade de expandir seu poder político nacional (a Alemanha e o Japão).

Tudo indica que agora, com a nova relação que vem se consolidando entre os Estados Unidos e a China, o sistema mundial deve voltar aos seus trilhos “normais”. Neste momento, os Estados Unidos não têm mais como se desfazer economicamente da China, mas chegará a hora em que terão de enfrentar o desafio da expansão chinesa, sobretudo, quando ela deixar de ser apenas um fenômeno comercial. Na hora em que a China decidir expandir e consolidar seu “território econômico-financeiro” supranacional, lutando ao mesmo tempo pela hegemonia político-militar, na Ásia.

* Parte deste artigo aparece no ensaio “O poder global dos Estados Unidos.
Formação, expansão e limites”, no livro O Poder Americano, publicado em 2004, pela Editora Vozes.

José Luís Fiori
Revista Carta Capital, 29 de Dezembro de 2004
Ano XI - Número 323

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016