Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil

PAÍS DO FUTURO

Projeções dão conta de que, em 2020, o Brasil terá mais de 209 milhões de habitantes. Para que essa informação não seja uma mera curiosidade, é preciso que sirva de base para a elaboração de políticas públicas com vistas a adequar os serviços do Estado à nova realidade.

As mudanças no perfil demográfico projetadas pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em dados do Censo de 2000 operam com dois cenários de redução na taxa de fecundidade. Na maior queda (para 1,3 filho por mulher nas áreas urbanas e 1,8 nas rurais), a população de 2020 seria de 209,5 milhões. Com a redução menor (1,8 filho nas zonas urbanas e 2 nas rurais), o total de brasileiros chegaria a 217,4 milhões.

Em ambos os casos, haverá uma significativa elevação da população com mais de 60 anos. Em 2000, os idosos representavam 8,5% dos brasileiros. Em 2020, eles ficarão entre 14,2% e 14,7%. A população mais jovem, entre 0 e 14 anos, cairá bastante. Passará dos 30% de 2000 para algo entre 20,4% e 23,1%.

É preciso, portanto, começar a preparar o terreno para o novo quadro. Entre as áreas que mais sofrerão pressão estão a Previdência e os serviços de saúde, ambas já hoje bastante problemáticas. Nos dois cenários do Ipea, o Brasil de 2020 terá uma taxa de fecundidade inferior à de reposição. Isso significa que o atual sistema precisa ser adequado para uma situação em que haverá cada vez menos trabalhadores na ativa para manter os já retirados. A adequação passa pelo aumento do tempo de contribuição e eventuais ajustes de benefícios, mas também por fatores macroeconômicos, como a capacidade de crescer e gerar empregos.

No que concerne à saúde, é importante lembrar que o envelhecimento se dará não apenas pela queda da fecundidade mas também pelo aumento da expectativa de vida, o que exige cuidados extras com a prevenção. Se o sistema começar a tratar desde já doenças típicas dos mais idosos como hipertensão arterial e diabetes, diminuirão os custos futuros e, mais importante, melhorará a qualidade de vida da população.

O Brasil vai se encaminhando para um perfil populacional semelhante ao de países europeus sem ter, no entanto, até aqui, experimentado um padrão de prosperidade minimamente comparável. A permanecer a dinâmica de baixo crescimento e as dificuldades do Estado de planejar e antecipar problemas, o futuro pode reservar surpresas desagradáveis.

 

Folha de São Paulo, 29/08/2004

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016