Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil

AS MIGRAÇÕES E AS CONTRADIÇÕES INTERNACIONAIS

"Hoje o mundo é mundial"

Desde 1950, a produção mundial foi multiplicada por 5 e as trocas comerciais antes das 11, mas quem tira proveito deste crescimento? Em 6 bilhões de seres humanos, 500 milhões humanos vivem confortavelmente; 5,5 bilhões são pobres. Pelos anos 60 e 70, o número de pobre (esses que ganham menos de 1 dólar por dia) se eleva para 200 milhões de pessoas. No princípio dos anos 90, o número deles era de 2 bilhões. Hoje, no mundo, tem 20 milhões de refugiados e 30 milhões de pessoas “deslocadas”; 150 milhões de migrantes "econômicos” _ (20 milhões na Europa; e 50 milhões de africanos no mundo). A África tem o único presente dela 5 milhões de refugiados e 20 milhões de pessoas fora de lugar.

Compreender a Internacionalização

Internacionalização (ou globalização) é a fruto da combinação de três
fatores:
- o crescimento do espaço das trocas pela integração de países novos (os
jogadores novos);
- o globalização dos empreendimentos grandes que organizam ao nível mundial
as suas atividades de pesquisa, provisão, produção e comercialização (jogos novos).
- o crescimento das trocas graças a liberalização ou desregramento (regras novas do jogo).
A gente pensou que globalização (mas nenhum de opulências!) poderia fazer mais baixo a necessidade para emigrar. Porém, apesar da abertura grande dos mercados, os países em desenvolvimento são cada vez mais os recipientes dos estranhos de bens de consumo em lugar de dos lugares fixos capaz manter os trabalhadores, emigrantes potenciais, lá.
Caso contrário, a lógica de internacionalização gostaria isso à circulação grátis de fundos e bens é somado a circulação grátis das pessoas, mas das pessoas reduzidas à condição de mão-de-obra, isso significa mercadoria como qualquer outro, sujeito às únicas regras do mercado. A extensão para o "trabalho de mercadoria" da versão liberal de internacionalização significaria o desmantelando da reunião social de sistemas protetora, porque liberalismo saberia só admitir completamente a circulação livre dos trabalhadores para o nível mundial é moldado através de regulamentos nacionais protetores: salário mínimo, limitação do comprimento de trabalho, condições mínimas de higiene e segurança, interdição do trabalho das crianças, etc.
Para uma certa internacionalização de riqueza de qual benefícios as camadas sociais dominantes dos países pobres, corresponde uma internacionalização de pobreza que alcança setores vastos da população dos Estados ricos, notavelmente as pessoas de origem estrangeira e, mais particularmente, aqueles que se encontram em situação irregular. Estas vítimas da internacionalização liberal constituem um reservatório de uma barata mão-de-obra excessiva. A situação deles é agravada novamente pela
dependência deles com respeito ao mafiosos de redes de tráfico de seres
humanos, sem a intervenção da qual fica quase impossível penetrar no
território dos países ricos.
O contexto presente (internacionalização) está lá diferente do contexto dele tem 50 anos (industrialização): para uma certa criminalização dos migrantes "clandestinos". O fechamento generalisado das fronteiras, uma transformação da natureza das migrações:


- de temporário, fica definitivo
- de masculino e solteiro se tornado doméstico.

As sociedades Ocidentais vivem desde uma crise profunda:
- desemprego se desenvolveu de um modo estrutural;
- o medo do futuro dobrou setores inteiros destas sociedades em uma
identidade mais fechada;
- as falas que designam os estranhos como fatores de insegurança e
competidores no mercado de trabalho aumentaram, enquanto achando um eco
favorável na opinião pública.

Mudança do paradigma migratório: da industrialização para internacionalização

Nós passamos:
- da sociedade industrial para a sociedade pós-industrial
(internacionalização)
- da urbanização para a recolocação
- das "classes laboriosas" (com exceções) para as "classes perigosas"
(tudo!)
- do processo de inclusão para o processo de exclusão
- de imigração assimilada à imigração criminal
- do estado social para o estado penal
- de um mundo "aberto" a uma "fortaleza" mundial

A migração se tornou então quase em todos lugares uma ofensa procurada de cada vez pelos países de partida e pelos países de destino. Este fato
constitui o primeiro "fator" de criminalização da migração que transforma as políticas migratórias dos países europeus assim em um tipo de panóplia de militaro-polícia em lugar de uma real possibilidade de inserção regular.

As características das migrações presentes

O tráfico de migrantes

Nenhum país é imunizado contra a migração irregular (Cf. os 8 milhões de
clandestino avaliou para os Estados Unidos) - fenômeno inerente para todos os fluxos migratórios -, que este aqui leva a forma de entradas, permanências ou trabalhos irregulares. Na África, antes das possibilidades mais reduzidas para ir para os países ricos, a única saída dos migrantes é adquirir nas mãos dos traficantes aos métodos perigosos e ilegais (explorações físicas e sexuais, passaportes confiscados, prostituição e trabalho forçado, torturas). todos os anos, as pessoas falam assim de várias centenas de milhares de mulheres e crianças negociadas da África e na África. Vários países africanos (Nigéria, Gana, Costa de Marfim, Senegal, Etiópia, Quênia, Camarões, Mali, o Níger) é ao mesmo tempo países de origem, de trânsito e destino dos tráficos. E, Itália, Bélgica, os Baixos Países os Estados Unidos, o Oriente Mediano e os países do Golfo se tornaram destinos privilegiados de africanos, vítimas de tráficos.
Na Ásia do Leste onde os países de destino não são necessariamente
adjacentes dos países de origem, a migração irregular se apresenta debaixo de pessoas amolde em situação de permanência que colhe ou aquele trabalho irregularmente. Na Ásia do Sul e o Sudeste onde os países principais de parte de destino uma borda com o país de origem (a Tailândia e Birmânia ou Malásia e Indonésia), os migrantes irregulares entram e ficam sem os documentos requeridos [250 000 irregulars no Japão, 220 000 na Coréia, de 600 000 a 1 milhões em Malásia, 1 milhões na Tailândia, 1,9 milhões de Filipinos no estrangeiro vive em situação irregular].
O poucos de sucesso contra a migração irregular (a maioria dos países
reforçou as medidas deles de controle das bordas), revela que a migração
irregular é um componente estrutural da mobilidade do mão-de-obra. cresceu em número e em complexidade enquanto confundindo com o tráfico de seres humanos. Este último é especialmente flagrante no caso das crianças usado a fins de prostituição ou fazer um não trabalho vantajoso, ou no caso das vítimas de crianças da conta debaixo da mesa que fixa de adoção.
As mulheres também são as vítimas dos traficantes, recrutou para trabalhos legítimos entretanto forçado a prostituir, se casar, trabalhar em lojas clandestinas. Porém, o tráfico que se é o mais aumentado estes últimos anos são o tráfico dos migrantes chineses (50 000 por ano, especialmente da província do Fujian) para o Norte da América e Europa.
Na Europa, o fenômeno da imigração "clandestina" permaneceu com dificuldade e quase sem solução. No princípio dos anos 90, avaliou-se a 2,6 milhões os estrangeiros em situações irregulares. As várias regularizações (na maioria dos países europeus) revela que as migrações não são temporárias ou circunstanciais, mas estruturais; que controlar e administrar os fluxos as intervenções policial ou as medidas repressivas não são suficientes; que o objetivo de legalidade deve ser vindo com, dentro de, por políticas de integração e, fora de, por acordos internacionais e por programas de cooperação e desenvolvimento.
Um dos elementos de chamada para a imigração clandestina é provido pela
economia casual, muito presente na Europa. O setor casual da economia puxa vantagens importantes do clandestino mão-de-obra, mais flexível e menos caro.

O caráter transnacional dos migrantes

A migração presente, ancorada a redes sociais poderosas, tem um caráter
oscilando e mantém material fundo e gravatas simbólicas entre o país de
origem e os países de acolhimento. Desenvolve as formas culturais que estão limpo a ele. Assim, estes migrantes novos mostram evidência de um poder de resistência que reduz a velocidade a integração deles na sociedade de acolhimento.

O feminização

Um das características novas dos fluxos migratórios presentes é em particular o componente feminino elevado, que se aparece em um contexto maior de uso crescente da força de trabalho feminina do terço-mundo. Esta mão-de-obra investe o fabricante de setor em crise (sweatshops, trabalhe em casa), os serviços urbanos barato.

A intensificação da exclusão social

Os migrantes, como outra reunião social vulnerável se agrupa, é as vítimas da "exclusão" em nome da sociedade de acolhimento. Esta exclusão pode ser ativa ou passiva. As exclusões "passivas" são esses que os migrantes compartilham com outros grupos vulneráveis por causa da condição social: baixo padrão de vida, desemprego ou problemas se encontraram para chegar ao mercado de trabalho.
A exclusão ativa se aparece debaixo da forma de segregação ou discriminação. A segregação força o imigrante a limitar-se em reunião social, esferas culturais ou físicas aparte desses que ocupam o jogo da sociedade bem-vinda. Assim, a exclusão pode resultar em práticas distintivas como a instalação de imigrante em distritos marginais, ou através de isolamento sociocultural. A discriminação ordenhou à desigualdade de tratamento que humilha o imigrante nos vários domínios da vida social onde evolui.

Os casos de Europa: para uma "imigração precária"

A união européia funda a circulação interna grátis no controle rígido das bordas externas. Ela considera uma abertura seletiva destinou para satisfazer assim às únicas necessidades da economia. São aplicados daqui em diante sistematicamente o precarisação e o "flexibilização" de trabalho, entrados nos muros de nossas sociedades, aos imigrantes dos países pobres aquele deixa vir e trabalhar algum tempo nas sociedades ricas, antes de lhes mandar de volta a eles, na hora das crises econômicas. Claro que, os trabalhadores altamente qualificados (os "cérebros") poderia ter o privilégio para alcançar o estatuto residente permanente ou fazer naturalizar bastante depressa.
As pessoas também falam de imigração através de cotas, puxando, através de pontos, por contratos de missão... de qualquer maneira, os Estados usam os mecanismos mais variados para manter um certo relatório entre imigrantes em situação regular e imigrante em situação irregular. Entre estes mecanismos, há o regularizations periódico de trabalhadores em situação irregular, alguns acolhimentos volumosos de refugiados qualquer um algumas operações humanitárias das que combatem pontualment os déficits setoriais de mão-de-obra.
Em muitos países, consideram as autoridades que a prioridade deve ser concedida à luta contra as discriminações de qual é as vítimas os stranhos ou o nacional de origem estrangeira em lugar de para as ações que apontam para integrar os trabalhadores imigradas na sociedade de acolhimento. A luta contra as discriminações é essencial, mas, como a pessoa fala de abertura seletiva das bordas, desconsiderar a "integração" de veneziana das políticas migratórias significariam que os imigrantes novos não teriam "vocação" para permanecer por muito tempo na sociedade de acolhimento.
De fato, mais que lutar contra a imigração "clandestina" - se imigração não é proibida ela não pode ser irregular - concordaria em fazer a guerra ao uso irregular, o uso não declarado de mão-de-obra, quer seja sua nacionalidade ou estado de seu no país. Até agora, as sociedades se organizadas de acordo com o sistema que dirige toda pessoa para aceitar a obrigação defender-se agrupam-se em troca da proteção que um grupo lhe oferece enfrentando os outros grupos. O sócio do grupo se define então por oposição - inevitavelmente contraditório - para o sócio de non do mesmo grupo. Está de acordo com este diagrama que o nacional se define em relação ao nacional de non; o comunal se define por oposição para o non comunal.

Que ação visa a internacionalização oposta?

É necessário ver de fora a obsessão do "todo econômico": globalização também é outro modo para ver as pessoas e ter algumas relações entre os povos é então necessário inventar a "dosagem boa" entre a global e local. E que, nos domínios diferentes de vida: a família, escola, trabalho, lazeres, Igreja, políticas.


Lorenzo Prencipe
Publicado em Porto Alegre 2003: 14/12/2001

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016