Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil

POR QUE A CHINA ESTÁ ERRADA SOBRE LIU XIAOBO

O fato de as autoridades chinesas terem condenado a escolha do ativista político preso Liu Xiaobo como vencedor do Prêmio da Paz de 2010 pelo comitê do prêmio Nobel ilustra, inadvertidamente, porque vale a pena defender os direitos humanos.
As autoridades afirmam que ninguém tem o direito de interferir nos assuntos internos da China. Mas elas estão erradas: a lei e as normas internacionais de direitos humanos estão acima do Estado-nação, e a comunidade tem o dever de assegurar que elas sejam respeitadas.

O sistema de Estado moderno evoluiu a partir da ideia da soberania nacional estabelecida pela paz de Westphalia em 1648. Na época, assumia-se que a soberania deveria ser incorporada por um governante autocrático.

Mas as ideias sobre soberania mudaram com o tempo. A Declaração de Independência Norte-Americana e a Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão substituíram o autocrata com a soberania do povo como fonte de poder e legitimidade nacionais.

A ideia de soberania mudou novamente durante o século passado, à medida que o mundo deixou o nacionalismo e partiu para o internacionalismo. A Organização das Nações Unidas, fundada logo após duas desastrosas guerras mundiais, fez com que os estados membros se comprometessem a resolver as disputas de forma pacífica e definiu os direitos fundamentais de todos os povos na Declaração Universal dos Direitos Humanos. O Estado-nação, diz a declaração, não teria mais um poder final e ilimitado.

Hoje, os direitos humanos universais oferecem uma forma de checar as maiorias arbitrárias em todo o mundo, quer sejam democráticas ou não. Uma maioria no parlamento não pode decidir prejudicar os direitos de uma minoria, nem votar a favor de leis que enfraquecem os direitos humanos. E embora a China não seja uma democracia constitucional, ela é membro da ONU, e fez uma emenda em sua Constituição para cumprir com a Declaração dos Direitos Humanos.

Entretanto, a prisão de Liu é uma prova clara de que a lei criminal chinesa não está alinhada com sua constituição. Ele foi condenado por “espalhar rumores, caluniar ou usar quaisquer outros meios para subverter o poder do Estado e derrubar o sistema socialista”. Mas numa comunidade mundial baseada nos direitos humanos universais, não é tarefa do governo suprimir opiniões e rumores. Os governos são obrigados a garantir o direito à liberdade de expressão – mesmo que quem se expressa defenda um diferente sistema social.

Esses são direitos que o comitê do Nobel defende há tempos, agraciando as pessoas que lutam para protegê-los com o Prêmio da Paz, incluindo Andrei Sakharov por sua luta contra os abusos aos direitos humanos na União Soviética e Martin Luther King Jr. por sua luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.

Não é de surpreender que o governo chinês tenha criticado duramente o prêmio, alegando que o comitê do Nobel interferiu de forma ilegal com seus assuntos internos e causou humilhação. Pelo contrário, a China deveria se orgulhar de que se tornou poderosa o suficiente para se tornar tema de debate e críticas.

Entretanto, o governo chinês não é o único a criticar o prêmio. Alguns acreditam que dar o prêmio a Liu pode piorar as condições para a oposição na China.

Mas isso é ilógico: esse argumento leva à conclusão de que a melhor forma de promover os direitos humanos é ficar quieto. Se continuarmos quietos em relação à China, qual será o próximo país a reivindicar seu direito pelo silêncio e não-interferência? Isso seria um passo para o precipício do enfraquecimento da Declaração Universal e dos princípios básicos dos direitos humanos. Nós não devemos e não podemos ficar calados. Nenhum país tem direito de ignorar suas obrigações internacionais.

A China tem todos os motivos para se orgulhar do que conquistou nos últimos 20 anos. Queremos que esse progresso continue, e é por isso que demos o Prêmio da Paz para Liu.

Se a China quiser avançar em harmonia com os outros países e se tornar uma parceira-chave para sustentar os valores fundamentais da comunidade mundial, ela precisa primeiro garantir a liberdade de expressão para todos os seus cidadãos.

É uma tragédia que um homem esteja preso há 11 anos simplesmente porque expressou sua opinião. Se quisermos caminhar em direção à fraternidade entre as nações sobre a qual falou Alfred Nobel, os direitos humanos universais precisam ser nosso critério fundamental.

Thorbjonr Jaglan,
presidente do Comitê Norueguês do Nobel

Herald Tribune, 24 de outubro de 2010

 

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016