Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil

DESCOBERTAS FORAM USADAS NAS GUERRAS MUNDIAIS

O século XX traz consigo o fardo das guerras. Mas, de 1914 a 1945, em exatamente trinta e um anos, a humanidade presenciou também a maior revolução científica jamais vista. O homem fez, nesse período, o que não havia feito em dezenove séculos. Ao mesmo tempo em que causaram uma enorme destruição no mundo, as duas grandes guerras trouxeram consigo o avanço científico e tecnológico.

A destruição causada pela guerra acompanha a trajetória da humanidade, como explica o físico Rogério C. T. da Costa, do Instituto de Física da USP/São Carlos: "a ligação entre as atividades bélicas e a ciência, ou mais exatamente com a tecnologia dela derivada, é muito antiga. Já na mais remota antigüidade as propriedades elásticas dos materiais e a estabilização de projéteis foram largamente empregadas na construção de arcos e flechas e posteriormente na fabricação de máquinas de guerra, capazes de arremessar pedras a distâncias consideráveis". "A história é pródiga em exemplos de utilização perversa de resultados científicos obtidos com a mais cândida das intenções", completa o físico Carlos Alberto dos Santos, do Instituto de Física da UFRGS/RS.

Rogério Costa ressalta que dentre os cientistas, há indivíduos muito diferentes no que diz respeito às lealdades, patriotismo, ideologias e convicções a respeito da natureza humana e o seu futuro. Para ele esse tema poderia se explicar da seguinte forma: As armas usadas nas guerras estão baseadas nas leis naturais que regem o comportamento de todas as outras coisas. A necessidade de desenvolvê-las torna necessária a participação de especialistas no funcionamento dessas leis (os cientistas). Esses desenvolvimentos geralmente ultrapassam as aplicações imediatas para as quais foram destinados, contribuindo para o progresso da própria ciência, mas também de outras aplicações colaterais.

Fazendo uma recapitulação dos eventos científicos mais importantes no período da Primeira Guerra Mundial, Carlos Alberto Santos salienta que nem tudo esteve associado a ações bélicas. Ele destaca a participação de Marie Curie, que trabalhou no serviço médico francês, montando e administrando serviços de radiologia. E também a função do sonar, que era a de detectar icebergs e não localizar submarinos inimigos (o sonar é um equipamento que foi construído pelo físico francês Paul Langevin, em 1917, para localizar submarinos alemães. Apesar de já estar pronto, não foi usado antes do final da guerra).

Mas é preciso reconhecer que muitos desenvolvimentos tecnológicos desse período, como o da aviação, serviram para aprimorar a atividade militar. Como diz Costa, "é claro que nem Santos Dumont ou os irmãos Wrigt eram cientistas propriamente ditos, mas sim pessoas com o talento de aplicar princípios científicos a situações particulares de interesse prático. A necessidade de melhores máquinas fez com que cientistas fossem recrutados para desenvolver projetos de aeronaves, o que resultou em progresso da aerodinâmica, metalurgia e meteorologia".

Cronologia de eventos

1913 - o mundo já conhece o modelo atômico de Ernest Rutherford;
1914 - Primeira Guerra Mundial;
1917 - Paul Hangevin inventa o sonar;
1919 - Rutherford descobre o próton,
1920 - surge a teoria quântica moderna;
1929 - acelerador de partícular;
1930 - alemães descobrem a fissão nuclear/ ciclotron;
1932 - James Chadwick identifica o nêutron; através do bombardeio do urânio com nêutrons, a fissão nuclear estava pronto o caminho para a realização da bomba.
1941 - bomba atômica;
1942 - Erico Fermi desenvolve o reator nuclear;

No final de 1930, a Alemanha descobre a fissão nuclear e os alemães começam a pensar na bomba atômica. Albert Einstein, que é lembrado erroneamente como tendo uma participação na fabricação da bomba, se valeu de sua credibilidade para alertar sobre o projeto. No ano de 1939, atendendo ao apelo de vários cientistas, envia uma carta ao Presidente Roosevelt onde chamava a atenção para a possibilidade da bomba nuclear alemã. Preocupado com a "falta de resposta", Einstein escreve nova carta em 7 de março de 1940, terminando assim sua participação nesse episódio.

Um ano depois, o governo do Presidente Roosevelt dá início ao Projeto Manhathan. Nessa época muitos cientistas estavam nos Estados Unidos, fugidos do nazismo. Enrico Fermi, físico italiano, coordenou a equipe que estudava a produção de plutônio. J. Robert Oppenheimer, depois de nomeado diretor do Laboratório de Pesquisas Atômicas, junta os melhores físicos nucleares e dá início ao trabalho sigiloso que culmina, em 6 de agosto de 1945, com o lançamento da bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima.

Dois ramos do conhecimento tiveram um desenvolvimento acentuado na Segunda Guerra Mundial, segundo Rogério Costa. O primeiro foi a produção e recepção de ondas sonoras e eletromagnéticas, que eram essenciais para a detecção de submarinos (tecnologia do sonar) ou navios e aviões (tecnologia do radar), dando origem a novos equipamentos, com maior sensibilidade e capazes de operar em comprimento de onda menores (da ordem de 1 cm, no caso do radar). O radar foi criado em 1935, por Watson-Watt, e é um dispositivo eletrônico que permite ao homem detectar e localizar objetos à distância e sob condições de luminosidade precárias para o olho humano. O segundo ramo foi energia nuclear, cuja descoberta praticamente coincidiu com o início das operações militares da bomba atômica.

Como é sabido a construção da primeira bomba, dependeu da solução de problemas que não eram "puramente" científicos, envolveu ramos da engenharia e da metalurgia e só foi possível com o esforço coordenado de vários especialistas. Mas a bomba não foi o único produto da pesquisa nuclear. Um outro produto foi a construção de usinas nucleares para produção de energia elétrica, as quais são hoje essenciais para cobrir as necessidades energéticas de alguns países.

As principais conseqüências da Segunda Guerra Mundial foram: a redefinição da ordem mundial em favor das superpotências; a confirmação dos Estados Unidos com hegemonia no bloco capitalista; a União Soviética, que emergiu como potência de primeira grandeza, exercendo uma considerável influência na Europa Oriental. Essas duas superpotências tornaram-se os grandes líderes políticos mundiais, reunindo em torno de si diversos países. Houve um declínio da influência política, econômica e mesmo cultural da Europa. No campo das técnicas militares, foram somados aos instrumentos tradicionais de guerra novos tanques, foguetes, radares, aviões, submarinos e, finalmente, a bomba atômica.

Na Primeira Guerra Mundial, as tensões advindas de disputas por áreas coloniais, o revanchismo francês, a questão da Alsácia-Lorena e a questão balcânica desencadearam o conflito entre os países. A Alemanha, após a unificação política, passou a reivindicar áreas coloniais e a contestar a hegemonia internacional inglesa, favorecendo a formação de blocos antagônicos. Os blocos rivalizaram-se política e militarmente até que, em 1914, surgiu o motivo da eclosão da Guerra: o assassinato do herdeiro do trono austro-húngaro (Francisco Ferdinando), em Sarajevo (Bósnia).

Nesse cenário, muitos cientistas fugiram de seus países de origem, principalmente para os Estados Unidos, que se manteve neutro praticamente durante todo o conflito, aproveitando para desenvolver sua produção agrícola e industrial.O abrigo dado aos cientistas durante esse período, reverteu-se em poderio, tanto intelectual como bélico.

  • Como vejo o mundo/Albert Einstein ; tradução H.P. de Andrade - Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1981.
    O livro traz histórias da vida de Einstein, incluindo suas correspondências com outros cientistas e trechos de suas conferências sobre paz.
  • Infinito em todas as direções . Freeman Dyson; tradução Laura teixeira Motta - São Paulo : Companhia das Letras, 2000.
    Traz os resumos de conferências proferidaspor ele em Aberdeen, em 1985, e que trataram a respeito da diversidade do mundo natural.
  • Era dos extremos : o breve século XX : 1914-1991 / Eric Hobsbawm : tradução Marcos Santarrita ; revisão técnica Maria Célia Paoli. - São Paulo : Companhia das Letras, 1995.
    O livro traz uma forte impressão da catástrofe humana que foi o século XX. Catástrofe em relação às mortandades gigantescas, sem equiparação possível com qualquer outro período histórico.

 

Com ciência
Revista Eletrônica de Jornalismo Científico – da SBPC http://www.comciencia.br/reportagens/guerra/guerra08.htm

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016