Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

  Geografia Geral e do Brasil

PARCERIA E JEITINHO EM TERRAS AFRICANAS

Cresce a presença brasileira na África, onde as carências se confundem com oportunidades de negócio
Brasil e África estão deixando de ter em comum apenas a afinidade étnica, um enraizado amor pela música e o compartilhamento de um legado escravagista que nada tem de glorioso. Neste começo de século 21, brasileiros e africanos residentes ao sul do Saara estão se tornando também importantes parceiros comerciais.
Há anos, o volume de negócios entre o Brasil e alguns países africanos – especialmente Angola e África do Sul – vem crescendo tanto que esse mercado é hoje o quarto mais importante para produtos brasileiros, principalmente industrializados. Máquinas, automóveis, artigos de informática, eletrodomésticos, alimentos enlatados compõem 80% de nossa pauta de exportações para aquele continente.

As vendas para o Brasil, por sua vez, também vêm aumentando, e as enormes quantidades de petróleo nigeriano que chegam todos os anos aos portos brasileiros são as responsáveis pelo pequeno superávit em favor do continente africano.

No total, o volume de negócios envolvido nessa corrente de comércio saltou de US$ 3,5 bilhões em 1997 para espantosos US$ 15,6 bilhões em 2006, ano em que US$ 7,4 bilhões em mercadorias saíram do Brasil para o outro lado do Atlântico. Em 2007, foram US$ 8,5 bilhões – valor oito vezes maior do que o do começo dos anos 1990, quando as vendas para a África não passavam de US$ 1 bilhão, e quatro vezes o de 2001, quando as exportações somaram cerca de US$ 2 bilhões.
"O mercado africano é carente de produtos industrializados, já que as fábricas estão concentradas na África do Sul, país responsável pela metade da produção industrial e por quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do continente", diz Adalberto Camargo Jr., secretário-geral da Câmara de Comércio Afro-Brasileira, sediada em São Paulo. "Se o Brasil souber aproveitar o espaço que já conquistou e detectar novas oportunidades, poderá vir a desempenhar um papel fundamental na economia da região."

De acordo com Camargo, em alguns países isso já está acontecendo. Em 2006, Angola adquiriu de empresas brasileiras o equivalente a US$ 836 milhões, uma elevação de 60% na comparação com 2005. Já as vendas para o Congo aumentaram 15 vezes desde 2002. Para a própria África do Sul, o crescimento das exportações foi de 205%, e para a Guiné Equatorial, somente entre 2006 e 2007, de 220%.

Construtoras
Diga-se que não são apenas as indústrias que estão marcando presença no mercado de consumo africano. Também mal servida de infra-estrutura, a África está se tornando, igualmente, um paraíso para as construtoras brasileiras – como Odebrecht, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, que na verdade estão presentes na região desde o começo dos anos 1970, quando eram uma espécie de ponta-de-lança econômica da diplomacia terceiro-mundista do regime militar, abandonada depois pelos governos civis. Nos últimos anos, essas empresas expandiram de maneira significativa suas operações no continente.

Angola, por exemplo, já representa para a Odebrecht um faturamento anual de US$ 900 milhões, advindos de setores como estradas, portos, diamantes e mercado imobiliário. A empresa ergueu o primeiro shopping center do país, localizado na capital, Luanda. Já a Camargo Corrêa vai construir a maior usina hidrelétrica do continente, para abastecer a África do Sul, e está igualmente bem instalada em Angola e Moçambique. A construtora prepara-se agora para operar na Namíbia, no Zimbábue e em Botsuana, e deverá destinar US$ 60 milhões nos próximos dois anos à consolidação dos vários mercados em que atua. Por sua vez, a Andrade Gutierrez está presente em países como Angola, Guiné Equatorial e Camarões, e pretende estender as atividades à República do Congo. Desde 2004, a empresa já investiu US$ 52 milhões na região.

Petróleo e mineração são outras duas áreas hoje com forte presença brasileira. Especializada na exploração petrolífera em águas profundas, a Petrobras está desenvolvendo projetos em quase uma dezena de países africanos, como Angola, Nigéria e Tanzânia. Desde o final da década de 1990, os investimentos da empresa naquele continente ultrapassaram US$ 2 bilhões, e até 2012 serão mais US$ 1,4 bilhão.

De seu lado, a companhia Vale participa de projetos de mineração em Angola, Moçambique, África do Sul, Gabão, Congo e Guiné. Uma das maiores apostas da mineradora brasileira é a gigantesca mina de carvão de Moatize, em Moçambique – em breve, a empresa deverá implantar um terminal para exportação.

E não é apenas o mercado constituído por essa infra-estrutura de cunho mais tradicional que está sendo ocupado pelos brasileiros. Uma equipe da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) está, por exemplo, simplesmente montando o Banco Central de Angola. E coube a uma empresa de Belo Horizonte, a Mysky Tecnologia, informatizar os sistemas de controle de companhias aéreas de Angola, Cabo Verde, Nigéria e Congo.

"Os africanos se encantaram com o nosso software, que é capaz de gerenciar com simplicidade e baixo custo desde os cronogramas de vôo e a venda de passagens até o check-in de aeronaves", afirma Fernanda Correia Franco, gerente administrativa e financeira da companhia.

A Mysky também presta consultoria e assistência técnica às companhias aéreas que compraram seu produto naquele continente. Aliás, o pessoal da empresa faz parte da crescente legião de brasileiros que hoje vão a trabalho ou mesmo vivem nos países africanos, principalmente nos de língua portuguesa, atraídos pelos salários generosos e oportunidades de negócios. Eles já somariam 20 mil apenas em Angola.

Opção
Ainda que as companhias brasileiras tenham sempre preferido investir nos mercados bem mais consolidados das Américas e da Europa, e mais recentemente na afluente China, não é difícil entender o porquê desse repentino interesse pelo continente africano. Está no cerne dessa ofensiva o desejo – cada vez mais explícito – de reverter uma histórica dificuldade do Brasil para vender, no mercado internacional, alguma coisa além de grãos, minérios e artigos industriais semi-acabados ou de baixo conteúdo tecnológico, que ainda perfazem três quartos das exportações nacionais.

A "cartada africana" é uma tentativa brasileira, sem dúvida atrevida, mas que está se mostrando eficaz, de adensar seu portfólio e se afirmar, no mundo globalizado, como um player econômico mais qualificado e de maior peso específico, posição que ocupa hoje apenas em relação a seus vizinhos do Mercosul. Apesar de estar entre as dez maiores economias do planeta, o Brasil participa com somente 1% do comércio mundial, e a sua imagem internacional é ainda a de um mero exportador de bens primários.

Muitos empresários brasileiros perceberam que está na África a oportunidade, tantas vezes negada, de finalmente desembarcar no mercado externo, sem enfrentar tantas barreiras tarifárias ou mesmo políticas, os produtos de maior conteúdo tecnológico que fabricam (de qualquer forma, não muito numerosos), assim como serviços de engenharia civil e de mineração, estes sim tidos como dentre os melhores do mundo, porém historicamente tolhidos quase em toda parte pelos fortes e capitalizados concorrentes europeus, americanos e asiáticos.

"A África é, sem dúvida, um mercado bastante promissor", atesta Nelson Delduque, diretor de mercado externo da poderosa Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). "Não é nem de longe um mercado virgem – a Alemanha exporta muita máquina para a África do Sul, por exemplo, e a China também começa a se fazer mais presente nesse segmento. Mas ali, pelo menos, temos espaço para concorrer em igualdade de condições."

Laptops
O curioso é que coube aos próprios países desenvolvidos e à China abrir a fresta por onde os brasileiros agora estão entrando. Pelo menos desde a virada dos anos 2000, quando ficou claro que a Guerra Fria já era mesmo coisa do passado, a África subsaariana deixou de ser considerada somente um território devorado pelo subdesenvolvimento crônico, miséria, genocídio, corrupção e sem nenhuma esperança de futuro.

Esses anjos do apocalipse estão ainda presentes na África, é claro – basta lembrar a feroz conflagração tribal que arrasou, no começo deste ano, o até então próspero Quênia, e as lutas intermináveis em Serra Leoa, no Sudão e na Somália –, mas hoje quem se destaca na paisagem africana, seja urbana ou rural, são os executivos munidos de celular e laptop, vindos quase sempre das partes mais ricas do planeta.

"Muitos países africanos estão forrados de petróleo e de minérios, e o crescimento da procura internacional por esses produtos, que fez seus preços dispararem, atraiu para o continente os investimentos externos", explica Cláudio Oliveira Ribeiro, professor de relações internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pesquisador do Centro de Estudos das Negociações Internacionais (Caeni) da USP. "A África está experimentando seu melhor período de expansão econômica desde o fim do período colonial, nos anos 1960 e 70."

De fato, há hoje pouquíssimos lugares no mundo onde a economia esteja crescendo com tamanha velocidade como na África – a média do continente foi de 6,1% em 2007, com previsão de 7% para 2008. Na América Latina, o índice no ano passado foi de 5,2%. Angola, que literalmente nada em petróleo, apresentou uma expansão de 23% no PIB no ano passado, e calcula-se que haverá duplicação até 2010, passando dos atuais US$ 53 bilhões para mais de US$ 100 bilhões.

Estados Unidos, França – país que dividiu com a Grã-Bretanha boa parte do território da África durante o período colonial, cuja fase africana começou no último quarto do século 19 – e China estão sendo os motores da atual expansão da economia do continente. Mas é a nova e milenar potência do Extremo Oriente que vem fazendo as apostas mais altas, até por sua premente necessidade de petróleo e minérios.

A África já se tornou, sem dúvida, um dos pilares da babélica economia chinesa, do que dá conta o crescimento do fluxo comercial entre as duas regiões: foi de US$ 50 bilhões em 2006, volume cinco vezes maior do que no ano 2000. O interesse da China no continente é tão grande que o esforço de seus empresários está sendo cada vez mais reforçado pelo dos diplomatas.

Uma cúpula sino-africana realizada na China em 2006 reuniu, por exemplo, nada menos do que 54 chefes de Estado africanos. As linhas de crédito chinesas para o continente já superam os US$ 50 bilhões (incluindo os US$ 4 bilhões para Angola concedidos logo nos primeiros contatos entre os dois países). Construtoras chinesas ergueram a sede do Ministério do Exterior na Nigéria, por um custo 30% menor e em dois terços do prazo previsto, e depois de pronto o prédio avisaram, com um sorriso nos lábios, que a construção não tinha custado nada, era um presente chinês para os nigerianos.

Nesse quesito, entretanto, os chineses estão encontrando no Brasil um rival de respeito. O atual governo brasileiro está sendo também bastante proativo na ajuda aos empresários nacionais em sua aventura africana.

Viagens
Revertendo o maldisfarçado desinteresse do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) por aquele continente – FHC sempre demonstrou preferência por inserir melhor o Brasil nos mercados do mundo desenvolvido e do Mercosul, aliás, uma política comum aos presidentes brasileiros desde o fim do ciclo militar –, o atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, não tem poupado energia para fazer da África um mercado de ponta para o país.

Sabedor da importância que têm, para os países africanos, visitas de chefes de Estado estrangeiros para a posterior abertura de negócios – e consciente também do que significam essas viagens para a ceva de certas ambições políticas brasileiras, como a de conquistar um assento no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) –, Lula já visitou nada menos que 19 países da região desde que assumiu a presidência. O número de embaixadas no continente aumentou de 16, em 2003, para mais de 40, e as missões diplomáticas em Brasília, igualmente 16 naquela época, já eram 24 no final do ano passado.

Mais revelador ainda do papel do governo de Lula são os generosos subsídios brasileiros fornecidos aos países da África de língua portuguesa, como Angola e Moçambique. O Brasil abriu uma linha de crédito de US$ 1 bilhão para o governo de Angola e perdoou quase toda a dívida de Moçambique contraída com o país: US$ 315 milhões, de um total de US$ 330 milhões.

Não é à toa que as empresas brasileiras domiciliadas em Angola (quase todas elas conectadas com a construção civil ou de serviços de informática e fast food) já respondam por cerca de 10% do PIB angolano, e o mercado africano como um todo represente hoje 10% da pauta comercial do Brasil – o mesmo patamar dos anos 1970, e mais que o dobro do que vigorou de 1985 a 2003.

"O governo brasileiro está realmente olhando de novo para a África", diz o secretário de comércio exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Welber Barral. "As ações não têm sido apenas diplomáticas. O MDIC e vários outros órgãos vêm também realizando um intenso trabalho de prospecção e divulgação comercial do Brasil no continente, e o ministério até já lançou linhas de crédito para aqueles que quiserem exportar para lá." Uma delas, segundo Barral, prevê a liberação de R$ 2 milhões para empresas brasileiras interessadas em fechar parcerias comerciais na África.

Há também um fator nada desprezível que vem jogando a favor dos brasileiros em suas incursões no continente africano: em Angola e Moçambique, além de alguns outros pequenos países como Cabo Verde, fala-se o português, e a identificação étnica e cultural com o Brasil facilita bastante as coisas. As novelas e as músicas brasileiras fazem sucesso absoluto em Angola, por exemplo: o cantor e compositor Martinho da Vila é, ali, quase visto como um deus.

Os produtos brasileiros também são envolvidos por essa boa imagem nos territórios de língua portuguesa, e mesmo nos de outros idiomas. O Brasil tende a ser considerado como um irmão mais velho bem-sucedido, e não como um pai ou tio paternalista, como até Portugal não deixa um pouco de parecer perante os angolanos e moçambicanos – e na África tão recentemente descolonizada, a desconfiança em relação aos "brancos colonialistas" é, compreensivelmente, ainda muito grande.

O velho "jeitinho brasileiro" também vem cumprindo sua parte – principalmente, outra vez, nos países de língua portuguesa. Bem mais maleáveis para os negócios do que europeus, asiáticos e americanos, e mais acostumados com as arbitrariedades da burocracia e – é preciso dizer logo – com a corrupção, ainda bastante presente na África, os empresários brasileiros sabem se virar bem no algo pedregoso terreno empresarial africano.

Questão de fôlego
"Praticamente todas as companhias que exportam continuamente para Angola, por exemplo, o fazem através de parcerias com empresas portuguesas ou do próprio país", diz Alexandre Moura, diretor da Light Infocon, empresa paraibana da área de tecnologia da informação e que há anos faz negócios com o país em associação com portugueses. "Ninguém vai às cegas."

O principal desafio do Brasil para aumentar a participação no mercado africano está em conseguir manter o fôlego atual, e isso não será fácil. Nas ex-colônias britânicas e francesas, empresas dessas antigas metrópoles – secundadas pelas dos seus primos da União Européia e dos Estados Unidos – começam a entabular um pequeno negócio atrás do outro e a fechar os espaços. A China, cujo apetite está, por enquanto, mais voltado para o petróleo, o carvão e o ferro, também logo deverá diversificar o cardápio. São todos países com um bolso muito mais fundo do que o do Brasil e, por isso, capazes de agir de maneira mais lenta e estratégica do que a maior potência latino-americana.

E dinheiro e paciência são fundamentais para participar da economia africana. Abrir um canal de negócios no continente equivale a gastar uma pequena fortuna. Angola, por exemplo, é um dos países com um dos custos de vida mais altos do mundo, e onde a população tem enorme dificuldade até para comprar alimentos – aliás, esse é um cenário que se repete por quase toda a África subsaariana, apesar dos bons índices de crescimento.

Em Luanda, que oficialmente tem hoje no máximo 300 mil habitantes, mas onde o próprio governo trabalha com uma estimativa muito acima de 1 milhão, o bitoque – prato típico composto de arroz, salada de alface e tomate, ovo frito e bife – custa em média US$ 50.

A infra-estrutura do país é terrível até para os padrões brasileiros. Praticamente não há estradas e avenidas em bom estado e, na capital, um trajeto de 10 quilômetros, feito de táxi, pode levar cerca de uma hora e meia e custar US$ 80. A energia elétrica é intermitente, e o serviço telefônico, perto do pavoroso. E os preços dos hotéis chegam a desanimar, de tão altos. Estima-se que uma empresa que queira implantar-se em Luanda vá gastar pelo menos algo entre US$ 400 mil e US$ 500 mil para isso, se quiser se ver livre desses gaps fatais para os negócios.

"Mas, no final das contas, o esforço vale a pena", garante Aldo Dórea Mattos, consultor de engenharia que há anos ajuda a desenvolver grandes projetos viários naquele continente. "Vi miséria em praticamente todos os lugares, tudo é um pouco caótico e a formação profissional dos africanos é incipiente, para dizer o mínimo. Mas hoje existe uma vontade enorme de progredir, e se os brasileiros participarem dessa epopéia certamente não se arrependerão." 

Alberto Maeakdiye
Revista Problemas Brasileiros,
nº 387 - mai/jun 2008

Retornar ao índice

ATUALIZADO EM 28//06/2016